Quem somos

O Alô Vida teve início de suas atividades no ano de 2004.

É uma entidade filantrópica, sem fins lucrativos, cujo objetivo é atender as pessoas que precisam desabafar.

Através do diálogo, aceitação incondicional e doação de calor humano, escutamos com total sigilo e privacidade. Os atendimentos são gratuitos e realizados todos os dias da semana, apenas pelo telefone: (31) 3444-1818

Razão social: Grupo de Apoio e Prevenção do Suicídio
CNPJ: 26.269.753/0001-90

 

Documentos para download

Conheça Nossa Missão

Qual o motivo da existência do Alô Vida

Olhando ao redor, pode-se, talvez, constatar que a tendência das pessoas é: cada um cuida de si. A solidariedade, a preocupação com os outros, o interesse pelo problema alheio, o escutar com atenção, pode não ser uma preocupação constante no dia a dia da maioria das pessoas. Individualismo é uma característica marcante da sociedade atual, mas os problemas existem na vida de todos nós, e necessitamos resolvê-los.

Nossa missão é escutar, facilitar o desabafo de pessoas que não encontraram em seu meio alguém que possa escutá-las com atenção. Escutar com o coração, observar as entrelinhas. Escutar o que foi dito e prestar atenção também naquilo que não foi dito são aspectos importantes para a realização do trabalho no Alô Vida. O Alô Vida é uma entidade de caráter estritamente humanitário.

A finalidade principal é ESCUTAR. Escutando quem necessita, além da qualidade de vida, o Alô Vida ajuda a preservar a vida propriamente dita dessas pessoas, pois quem não tem com quem conversar pode vir a cometer, como uma saída para sua aflição, numa medida extrema, uma ação drástica: o suicídio.

 

Eventos e Cursos de Capacitação

Curso de Formação Para Voluntários

Existem pessoas que precisam conversar e não podem contar com ninguém. Venha escutar quem precisa.

O Alô Vida agradece à todos os seus colaboradores!

 

Se você deseja participar deste trabalho, deixe seu contato através do nosso e-mail.

 

Para quem gostaria de participar mas não tem disponibilidade de tempo, é só acessar:

alovida.quererbem.org

Faça um doação e participe deste relevente trabalho!

 

Benditos sejam...

Benditos sejam os que chegam em nossa vida em silêncio, com passos leves para não acordar nossas dores, não despertar nossos fantasmas, não ressuscitar nossos medos.
Benditos sejam os que se dirigem a nós com leveza, com gentileza, falando o idioma da paz pra não assustar nossa alma.
Benditos sejam os que tocam nosso coração com carinho, nos olham com respeito e nos aceitam inteiros com todos os erros e imperfeições.
Benditos sejam os que podendo ser qualquer coisa em nossa vida, escolhem ser doação.
Benditos sejam esses seres iluminados que nos chegam como anjo, como flor ou passarinho, que dão asas aos nossos sonhos e tendo a liberdade de ir escolhem ficar e ser ninho.

 

Ouvir traz consequências

Quando ouço efetivamente uma pessoa e, mais que isso, ouço os significados que lhe são importantes num momento específico de sua vida, ouvindo não suas palavras, mas ela mesma, demonstrando me importar de fato com suas questões pessoais, suas aflições mais íntimas, muitas coisas acontecem. Surge, em primeiro lugar, um olhar agradecido, um sentimento bom de alívio. A partir daí, essa pessoa se dispõe a falar mais sobre seu mundo. Sente-se impelida em direção a um novo sentido de liberdade. Torna-se mais aberta ao processo de mudança. Quando percebem que foram realmente ouvidas, as pessoas quase sempre ficam com os olhos marejados. Nesses momentos, tenho experimentado a fantasia de estar diante de um prisioneiro em um calabouço, que dia após dia transmite uma mensagem em Código Morse: “Há alguém aí? Alguém está me ouvindo?” E um dia, finalmente, escuta algumas batidas leves, que soletram: “Sim”. Esta simples resposta é o bastante para que se liberte da solidão, para que se sinta novamente um ser humano. Há muitas, muitas pessoas vivendo em calabouços privados hoje em dia. Pessoas que não deixam transparecer esta condição e que, por isso mesmo, têm de ser ouvidas com muita atenção, para que possam ser captados os fracos sinais que emitem de seu cárcere emocional.

Carl Rogers – Um jeito de Ser – pág. 6 e 7.

Entre Em Contato Conosco

Horários de Atendimento

Domingos Das 15 as 22H

Segundas Das 19 às 22H

Terças Das 7 as 11H E Das 15 às 03 H AM

Quartas Das 11 às 03 H AM

Quintas Das 15 às 23 H

Sextas Das 15 às 19 H

Sábados Das 11 às 19H

Contatos

Nosso trabalho de escuta é sempre feito através do telefone:

(31)3444 1818

Sempre prontos para te escutar!

(31)3444 1818

contato@alovida.org.br

Para ser um voluntário ou fazer uma doação, acesse:

alovida.quererbem.org

Seja um parceiro!